domingo, 8 de novembro de 2015

Quando a gente desiste, e sai ganhando!



Há algumas semanas eu fechei meu negócio de artesanato no Facebook. Neste primeiro tempo, é um fechamento temporário até que nos mudemos (que será em Janeiro-Fevereiro, se Deus permitir), nos acomodemos, e comecemos a viver a vida no campo que vamos ter e eu desintoxique da cidade (ainda que tenha a convivção de que isso levará outros 33 anos... mas a gente é pensamento positivo e bola pra frente). Depois quando isso aconteça, vou orar novamente, avaliar novamente, e decidir novamente.

Bueno... o que eu queria dizer era, que me custou muito decidir isso! Eu amo costurar! Vejo oportunidades de costura em muitas coisas! Mas ultimamente acordava de madrugada organizando mentalmente meu dia seguinte com entregas, urgências, estoques, faltas de matéria-prima, além de que tentando conciliar o acto no colégio, as compras da casa, algumas petições do Petrus, as inúmeras petições: leva a gente na praça, mãe, estar concentrada e conectada com meus filhos. Amo costurar, e continuo costurando (ui, estou costurando uma gostosura do tamanho do céu para alguém tão especial para mim, além daquele Mystery Quilt da Oli, hihihihihi)... não é que deixei de trabalhar que abandonei meus tecidinhos, hoje mesmo, ou melhor ontem (sábado) fui com Oli e Fede + uma senhora amiga minha "apresentar" uma loja m-a-r-a-v-i-l-h-o-s-a (entenda-se nenhuma se compara a LuGastal - my favorite, mas nos moldes argentinos é um MUST) de tecidos em outra cidade à essa querida amiga! Passeio delícia, numa manhã espetacular e companhias agradáveis!

Agora bem, o que eu não gostava era da pessoa que eu estava voltando a me tornar, digo voltando, porque me recordava quando trabalhava horas exaustivas, meus últimos trabalhos envolviam sistemas, banco de dados que falhavam, e prazos estipulados pelo governo para pagamento de impostos... era um stress! Clientes enlouquecidos querendo que seus problemas sejam resolvidos já, agora, neste instante! E eu era a mesma, que me acordava de madrugada repassando todas as pendências, as urgências, o mais importante. E vivia uma vida totalmente controlada e não desfrutava do tempo, das coisas simples. Irritada, sem paciência, correndo como uma louca de um lado para outro, e a pior de todas, não aproveitando, ceifando na vida dos meus filhos, "estando" a las corridas, como se diz por aqui. Me levou tanto tempo desintoxicar dessa roda vida de alta produtividade e que todo tempo deveria estar dando resultados (porque não é que eu deixei de trabalhar para cuidar da minha família e toda essa vida-louca se resolveu num toque de mágica, no,no,no), de viver por projetos, on demand, que não tinha me dado conta que havia voltado ao mesmo ponto de anos atrás, não né!

Quero voltar e trabalhar no meu negócio, porque realmente é algo que gosto muito, me libera do stress, adoro pensar em como e o quê fazer de lindos produtinhos, os tecidos são como tinta para mim. Mas neste exato momento, quando parece que eu desisti por x, y, z, eu vejo que saí ganhando!Ainda estou entregando alguns atrasildos (it happens sometimes) mas sinto que tirei um peso das minhas costas, uma mochila que estava pensando demais. Estava todo o tempo fazendo o esforço extra, havia dias que bastante extra, para não deixar a peteca cair. Ou se alguma peteca caísse, era a dos meus filhos, da minha casa e do meu marido que caiam Shame on me!! Mas tomar essa decisão, apesar de difícil e de ter postergado por alguns meses quando me dei conta que não estava funcionando, eu me sinto leve, leve. E como tenho a característica de estar sempre inventando coisas por fazer, já tenho mil e uma idéias de coisas por fazer, mas elas são voltadas aos meus filhos, a minha família, a minha casa, e que transborde esse amor sacrificial que Deus derrama sem merecermos, e eu possa servir a outros com aquilo que Deus me chamou para fazer nesta etapa da vida: nutrir, servir e amar a minha família. Porque cheguei a conclusão que quando sirvo a minha família dentro do plano de Deus, também estou mais disposta de servir a outros, com hospitalidade, com atenção, com importar-se com o outro.

Existe um tempo para cada coisa debaixo do céu, parafraseando o famoso versículo do livro de Eclesiástes. Porém, essa teologia, precisa baixar a um nível onde eu viva cada tempo, cada tempo, sem pular os mais fáceis, os mais ásperos, nenhum deles e cada um onde-quando-como-porquê Deus planejou que fosse, e de maneira gozosa. Existem estações na minha vida, e, elas precisam ser respeitadas, porque senão, é como o clima, se desordena e começam as catástrofes "naturais" criadas por mim mesma e meu pisar de jaca!

Confesso, que por agora, eu desisti. Mas já vejo que, todos em casa, saímos ganhando!

Beijos, Caro


2 comentários:

Anônimo disse...

Palmas, palmas, palmas!!!
Não imaginava q já estava de mudança marcada! A última foto q me lembro era de um terreno cercado, sem nada parecido com um projeto de casa :) certa de q vc fez a melhor escolha!

Besos gorrrrrrdos!
Malu

Caroline disse...

Oi Malu querida!
Ai vamos.... a data exata ainda não temos... mas já está mais perto que longe da nossa mudança!
Sim, só pela Sua graça que a gente faz essas escolhas!!!
Depois te mando uma msg por privado!

Besotes!!!! Caro

Postar um comentário