sábado, 20 de outubro de 2012

Outro dia...

Antes da temporada hospitalar... saímos de passeio pela cidade! Por isso eu amo Buenos Aires!

Museo del A.C.A (Automóvil Club Argentino)
Entrada Gratuita, passeio sem stress, caminhada no sol... depois sorvete e café e correr na praça com uma nuvem de mosquitos ao redor!

LOURENÇO FELIZ!






Eu queria andar num desses! Imagina que linda, se casar no campo e chegar nessa coisinha...


OLIVIA NÃO TÃO FELIZ!

VAMOS MASSACRAR PAPAI!


quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Cadeirinha: não importa gritos, choros, espernear! Tem que usar!


Cadeirinha no carro salva 1 criança por semana no País

O número de crianças de até 8 anos mortas em acidente de trânsito caiu 23% no primeiro ano de vigência da lei da cadeirinha no País. Estudo feito pelo Ministério da Saúde e pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), com base no registro de óbitos, mostra que, entre setembro de 2010 e agosto de 2011, 227 menores de 8 anos morreram em acidentes de carro. Entre setembro de 2009 e agosto de 2010, foram 296 - ou seja, pelo menos uma morte de criança a menos por semana.

“A relação entre a lei e a queda dos indicadores é evidente” (comentário meu: Minha gente, precisa de lei para proteger seu filho!?!?), avaliou nesta terça-feira (16) o ministro da Saúde, Alexandre Padilha. Para ele, a lei ajudou a reverter uma tendência de aumento de óbitos nessa faixa etária, identificada entre 2005 e 2010. Nesse período, o número de mortes saltou de 238 para 296. “O crescimento era registrado ano a ano, algo que foi invertido depois da lei da cadeirinha.” Padilha argumenta que, além de a cadeirinha oferecer mais segurança para as crianças, o debate em torno da nova lei e o aumento da fiscalização levaram motoristas a adotar uma postura mais cuidadosa (comentário meu: não é a questão de motoristas mais cuidadosos, mas sim de PAIS E MÃES conscientes do que pode matar seu filho ou não, PELAMOR! Me dá bronca pai e mãe sem noção, vcs não tem idéia).

O Ministério da Saúde deve continuar monitorando o número de mortes entre crianças no trânsito. Pesquisa semelhante já é feita com números deste ano. “A tendência é de haver uma acomodação dos indicadores, daí a necessidade de não se afrouxar a fiscalização”, completa.

Fonte: jornal O Estado de S. Paulo

Assim ó:


Na rua, na estrada ou numa casinha de sapé... não, de viagem de férias!

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

E vamos virar a página...

Minha gente... coisa boa sentir-me quase normal! Pq exatamente uma grávida não é a coisa mais normal do mundo, e eu me incluo nas "anormais" mais que nas "normais".
A vida está voltando ao seu ritmo depois de um mês de setembro e início de outubro super movimentado aqui em casa. Nossa, pensei que não ia mais ser uma grávida quase normal, que meus filhos tivessem uma mãe com todas as suas funções de mãe no modo ON e meu marido a esposa de volta! Ai... estou feliz da vida, mas tb cheia de coisa atrasada por fazer.

+++++++++++++++++++++++++++++++

Hoje finalmente chegou meu visto permanente e do Lourenço! Vocês não tem idéia, nós fomos 3x na imigração desde que venceu o provisório, ou era por um problema, ou por outro! Acho que o Petrus já foi 4x, o dele deve chegar nos próximos dias! Agora eu sei, entendo, compreendo o que passam os estrangeiros com essa coisa de visto. Isso que nós temos a bênção de ter uma empresa que faz tudo por nós, a gente só tem que comparecer com a carona e os documentos originais. Não faço idéia do que deve ser não ter essa ajuda especializada para fazer o visto. Obrigada meu Deus!

Bueno, dito isso, contei para o Lourenço que chegou nossos documentos e tals...

- Mãe, que bom que chegou o nosso documento! Agora a gente já pode ir para o Brasil! O Federico vai comigo na frente, no meu Subaru preferido, sentado na cadeirinha de bebê!

Ai meu povo... eu morro com esse meu filho. Pq a gente esteve por ir 2 vezes ao Brasil este ano, olha como marcou nele o fato de não poder ir pq estávamos com "problemas" no visto. Claro, ele quer ir neste Subaru preferido (sei lá qual é o dito do carro)... não sei qdo isso vai acontecer, mas um dia ele vai dirigindo... só que o Federico vai de co-piloto e não na cadeirinha de bebê.

Outra do Forest Gump:
- Mãe, tá nascendo otra ampolla (bolha) no meu pé!

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Sobre sentir-se e o resumo das últimas semanas

No último post... me sentia mal.
Bem, conto para vocês o que aconteceu depois daquela bronquitezinha!

Aí vai, é uma cópia alterada de um email para uma amiga. Estou morta de preguiça de escrever.

Para quem não sabe fiquei uns dias internada do hospital, desde sexta, dia 21/09, até terça-feira, dia 25.

Ai minha gente, confesso que aproveitei e dormi, pq não tinha mto que fazer.  Meu pobre marido que trabalhou como um louco, pq era pai, mãe, cozinheiro, babá, e tinha que trabalhar. E ainda, a Olivia pegou a minha otite e enquanto eu urrava de dor por causa do novo alien que crescia na minha barriga, e o Lourenço algo de febre, mas o bichinho é tão forte que graças a Deus não pegou nada, é magro de ruim esse pequeno. O santo marido  que Deus me deu chamava a ambulância (sim bem, eu fui de ambulância para o hospital, coisa que meu filho achou o máximo da aventura urbana, enquanto eu chorava descendo no elevador e vendo estrelas em qq buraco que encontravam na rua) tb chamava a pediatra para vir em casa olhar a prole que ficava com a vizinha (diga-se de passagem: uns santos de uns vizinhos, pq cuidaram das crianças, foram na farmácia, ajudaram com comida e ainda "sequestravam" um para dar uma folga para Petrus depois de mais de uma semana de doentes em casa, deram não só uma mão como um braço de ajuda). Como diz a minha sogra, bons vizinhos são como parentes do bem quando existe uma emergência.

Bem, quero expressar aqui uma coisa que já disse para Petrus: que ele é o máximo, pq não é qq marido / homem que encara o que ele encarou nas últimas semanas! Doentes, cuidando dos filhos sozinho e tudo mais que veio junto. Até a sogra veio junto, planejava vir nos visitar, acabou adiantando umas semanas a viagem e veio para cá nos cuidar.

Então o que aconteceu é mais ou menos o seguinte:


Com a bronquite tive muita, muita tosse. Essa tosse e espirros tb, fez com que me causasse um hematoma na parede interna do abdômen. Esse hematoma interno está entre o útero e a parte externa, mas não tem nada que ver com o útero. A explicação que os médicos chegaram era que como estou na terceira gestação, meus músculos abdominais estão mais elásticos que uma pessoa normal... uma coisa frouxa eles queriam dizer, mas não disseram. E toda essa força que eu fiz e continuo fazendo produziu este hematoma. Fica do lado esquerdo da minha barriga, mais na parte de baixo. E realmente quando faço força para tossir, a barriga fica em formato pontiaguda, isso mostra que os músculos que mais trabalham na tosse são esses laterais, ao que me parece.

Primeiro pelas dores e pela bola dura que era, podia ser ou um mioma que surgiu do nada nesta gestação ou uma hérnia de spiegel. Dai que foram 3 ecografias para descobrir que não era nem um nem outro. Mas não conseguiam precisar o que era. E nisso eu não podia nem tomar água, pq não sabiam se iam me mandar para cirurgia geral para tirar a hérnia, ou sei lá, segurariam Federico o que eu aguentasse de dor e sei lá, fariam uma cesárea. Depois de umas 10h fiz uma ressonância magnética e dai conseguiram ver o que era e me dar um analgésico que recebi dando palminhas para o ar e glória a Deus! Pq a dor era insuportável... e pude finalmente tomar água. Uma água clandestina que me trouxe a médica para molhar a boca, e eu dava umas bicadinhas de vez enquando, porque considerem que com a bronquite e todo o quadro catastrófico eu tinha minhas hermosas narinas entupidas que não passavam nada de ar, o lábio rachando de seco e a garganta parecia uma embreagem arranhada (já falei para vocês de onde vem o drama, drama dos meus filhos né? do meu marido, eu sou apenas realista)

Dai que quando estava no hospital eles tb fizeram um monte de exames de sangue para ver se eu tinha algum problema de coagulação de sangue que tivesse surgido nesta gestação... a coisa mais estranha.

No final foi essa a conclusão: a tosse é algo perigoso para uma barriga frouxa somado a terceira gestação.

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Bem, estamos de volta ao que seria quase normal aqui em casa. Imaginem que meu pobre marido não conseguia conciliar toda a avalanche que veio sobre. Mas tb não vou exigir tal coisa do pobre homem... então desde que estou mais ou menos apta a fazer algo pela minha pequena família estou lavando roupas alucinadamente, pq foram quase 2 semanas e meia sem lavar a roupa de forma normal. Ainda estou bem lenta, pq meu novo alien me dói quando faço muitos esforços e sou obrigada a deitar por 1 hora no meio do dia. E ainda vai demorar algumas semanas para que se vá totalmente. Mas daí eu já vou estar com uma barriga assustadoramente enorme e vou continuar lenta até que nasça o rebento.

Federico, para quem não sabe é o nome do meu third baby, está super bem. Controlaram ele durante todo o tempo no hospital umas 3-5x ao dia. E é o que mais passa bem de todos nós.

Apesar de eu andar meio estressada, irritada com a minha discapacidade de fazer as coisas, a gente vê que Deus nos cuida. Cuidou para que a Olivia tb se recuperasse, para que Lourenço ficasse só dois dias de febre, o Petrus não pegou nada das pestes que andavam aqui por casa, minha sogra veio nos ajudar, muitos amigos nos ajudaram de alguma maneira.

Confesso que durante as 10h que passei lá na emergência sem saber qual seria o meu destino estava morrendo de medo. O que fazia era chorar um pouco, não muito porque me dóia, e orar. Pq era um caso estranho até para os médicos, e cada tanto entrava um e queria apalpar minha barriga e eu queria agarrar a pessoa pelos cabelos e orelhas. Mas Deus cuidou para que fosse só um hematoma, e eu sou grata a Ele por isso. Pq apesar de tudo, não foi nada! Pq minha cabecinha só pensava: como vou para um centro cirurgico se tenho uma pessoinha dentro que vai continuar se mexendo, crescendo. Como? Como? 

Bueno, deu! Se você leu até aqui: Obrigada.
Chega de lero-lero.

OBRIGADA MEU DEUS!

Caro.